daqui

ingredientes e outras coisas gostosas que produzimos por aqui

ingrediente: dando nome às vacas

No princípio era o berro. Muuuuuuuuu, mugiu “Saudade” ao ser tocada do curral onde passara os mais gloriosos anos de sua vida. O período era o comecinho do século XX. O lugar era o interior de Minas Gerais. E o sujeito era uma família que estava de mudança de uma fazenda para outra, a algumas léguas dali. Todo o patrimônio estava sendo levado. No caso, três vacas: “Saudade”, “Lembrança” e “Souvenir”. Esta última, ainda um testemunho de uma época em que a grande referência cultural do mundo era a França, e não os Estados Unidos.

Muuu!

 

A menina mais nova, numa epifania causada talvez pela saudade do antigo lar, percebeu: “mas o nome das três vacas significa a mesma coisa”. “É que é importante lembrar, minha filha.”

Esta história aconteceu com a avó da minha esposa muito tempo atrás. Hoje, quando a principal regra de alimentação é “não coma nada que sua avó não reconhecesse como comida”, talvez aquelas vacas tenham algo a nos ensinar.

Porque se a avó da minha esposa chegou a conhecer o leite de saquinho e depois o longa vida, provavelmente ela nunca colocou os olhos em uma grande fazenda produtora de leite. Vacas espremidas em cochos, comendo ração transgênica, sem espaço para vaquear por aí. São ruminantes, ora. Os muito literais que me perdoem, mas ruminar é muito mais do um tipo de digestão do alimento. Ruminar também é refletir, meditar, cogitar. Tudo o que é negado à vaca no seu quarto-e-sala sem área privativa. Outra coisa que a avó dessa história também nunca viu, foi uma vaca ser chamada por um número. É como se você fosse reconhecido na rua pelo seu CPF.

– 12345678? É você?

– 87654321? Quanto tempo, que saudade.

 

Imagine ser chamado pelo seu CPF?

Aqui, no Dahorta, cada vaca tem seu nome. Meia Lua, Estrela, Maravilha… Alguns desses nomes foram escolhidos por nossos netinhos. Dar nome às vacas é um símbolo de como toda produção deveria ser. O alimento que vem da vaca vai pra dentro de nós. Se ela for tratada como uma mera engrenagem industrial, é impossível que o leite não seja também um mero produto industrial. É fundamental estabelecer uma relação de proximidade com o animal. Vacas criadas a pasto, chamadas pelo nome, sem antibióticos preventivos (onde já se viu, tomar antibiótico sem estar doente?), tratadas com homeopatia. A quantidade de leite que cada vaca dá é muito menor do que em uma fazenda de confinamento. Em compensação, o leite que elas dão, e o iogurte e o queijo que a gente faz a partir dele, não dá pra comparar. Depois de provar, você vai ficar igual ao nome das vaquinhas do começo da história: com lembrança e saudade.