domundo

casos e notícias colhidos por aí

Orgânico e Hidropônico, qual é a diferença?

Muita gente vem me perguntar se hidropônico e orgânico são a mesma coisa. São vários nomes, o que acaba gerando confusão. Pois fique sabendo: a única semelhança entre orgânico e hidropônico é serem palavras proparoxítonas.

De 10.000 A.C. até o início do século XX, agricultura era só agricultura. Sua base é o manejo da matéria orgânica, que sempre volta ao solo. Com a ação de fungos e bactérias, do sol e da chuva, a matéria orgânica cria uma geléia gosmenta que permite agregar as partículas de argila, areia e minerais em grumos. E também permite algo muito importante: a formação de espaços vazios. Para se ter uma noção, tanto espaço vazio quanto em uma esponja. Este solo gosmento é chamado de humus. Palavra que vem do grego e, não por coincidência, possui o mesmo radical de homem, de humanidade e também de humildade.

Já a agricultura química, que já foi chamada de agricultura moderna e até de revolução verde (esses nomes parecem aqueles anúncios antigos de cigarro: “o mais recomendado pelos médicos”), surgiu no final do século XIX. É uma agricultura industrial, pois segue a mesma lógica da indústria: produção de poucos itens em grande escala, dependência de insumos externos e de muita energia fóssil. Alguns defendem esse sistema por sua alta “produtividade”, o que é uma balela completa, já que os recursos externos (adubo químico, agrotóxico) não entram na equação. O conceito de tratar a agricultura como indústria trouxe  desequilíbrios ao ambiente, surgindo novas pragas, exigindo uso de novos pesticidas que provocam novos desequilíbrios, tornando a terra pobre e dependente de insumos químicos, num ciclo sem fim.

Você deve estar pensando: então a produção na água (hidropônica) é uma ótima saída, já que elimina a contaminação do solo, certo? Errado. E vou explicar o porquê.

O que é orgânico?

Primeiro vamos entender o que é orgânico. Hoje, orgânico é mais um sistema de garantia, prevista por legislação do que um sistema de produção padronizado. Ou seja, uma produção pode ser biodinâmica e orgânica. Pode ser agroflorestal e orgânica. Pode ser permacultural e orgânica. Pode ser hidropônica e orgânica? Não, nunca, jamais, em hipótese alguma. Para receber o selo orgânico, é preciso seguir normas que dêem garantia ao consumidor. Aqui, no Dahorta, toda nossa produção é orgânica. E você sabe disso porque temos o certificado do IBD, do Instituto Biodinâmico. Tais normas, além de proibirem os agrotóxicos, as sementes transgênicas e manipulações genéticas de animais, prevê que não seja usado adubo químico.

E o que é hidropônico?

Hidropônico é um cultivo sem solo, na água. Para substituir os nutrientes que a planta conseguiria no solo, é jogado muito adubo químico. Esta água, com produtos químicos altamente solúveis, é bombeada em tubos nivelados com furos na superfície superior onde são colocadas as mudinhas. Na Europa, esta forma de produção é muito contestada por aumentar o teor de nitrato e nitrito nas folhas, chegando a atingir níveis tóxicos. O nitrato forma ferremoglobina que causa melanemia. Já o nitrito forma a nitrosamina, produto cancerígeno e mutagênico. Claro, a versão dos defensores do hidropônico é outra. Eles dizem que no Brasil, devido à grande insolação, as plantas tem uma intensa atividade metabólica, inibindo o acúmulo em níveis tóxicos. Entretanto, trabalhos desenvolvidos em Londrina, Curitiba e Rio Branco comprovam que as alfaces hidropônicas têm níveis preocupantes de nitrato e nitrito. E, mesmo os produtores dizendo que não se usa agrotóxico, 66,67% das análises feitas em Curitiba estavam contaminadas.

Se o cultivo hidropônico fosse uma cidade seria Dubai. Nada ali é natural. Todos os recursos vieram de fora para que alguma forma de vida fosse possível.

As 3 palavras com o mesmo radical grego (humus, humanidade, humildade) caminharam juntas com o homem por 10.000 anos. Até que certos alguéns acharam que humus era dispensável. Sem humildade alguma, eles consideram o solo apenas uma estrutura de suporte das plantas, que é facilmente substituído, e os produtos químicos podem alimentar a planta tão bem quanto o solo. Imagino essas pessoas comendo cápsula de proteínas no café, ração humana no almoço e tomando injeção de Vitamina B12 no jantar. A “alimentação” da planta hidropônica que eles produzem não é muito diferente disso.

Em tempos de carnaval, é bom deixar claro. Cachaça não é água e hidropônico não é orgânico, não.

artigo publicado originalmente na nossa coluna no Site ND.

ingredientes relacionadas